DA CADEIRA SANITÁRIA À BACIA COM
revestimentos antibacterianos e dispositivos de automação, o banheiro (ou o mais próximo do que conhecemos por este nome) faz parte da sociedade há pelo menos três séculos. Mas sua disponibilidade no mundo está longe da equidade.

LIMPEZA PROFUNDA, DE CONSERVAÇÃO OU REPARAÇÃO?

Limpar um banheiro de forma correta é, primeiramente, dominar a abordagem prática e técnica que envolve sua higienização. Sujidades, agentes químicos, forças mecânicas, temperatura, tempo de ação, tipos de superfície, fluxo de pessoas, produtividade, frequência, tudo isso entra na equação e na cronologia da limpeza. No meio profissional, o processo de higienização de banheiros é dividido em três categorias: Limpeza Profunda; Limpeza de Conservação; e Limpeza de Reparação.

A primeira envolve a limpeza geral do banheiro, seguindo um procedimento detalhado, estabelecendo dias, horários e produtos utilizados. Deve-se higienizar paredes, divisórias, portas, janelas, teto, piso, louças sanitárias, cestos de lixo, espelhos, toalheiros, papeleiros, saboneteiras, entre outros.

A Limpeza de Reparação visa garantir a boa aparência do ambiente. A frequência irá depender da necessidade: limpar respingos em espelhos, excesso de água nas bancadas ou recolher papéis do chão.

Já a Limpeza de Conservação serve para evitar o acúmulo de sujeira. Em locais com alto fluxo de pessoas, deve ser feita diariamente e com foco nos detalhes, eliminando lixo e maus odores. Caso haja necessidade, deve ser realizada mais de uma vez ao dia.

“Uma limpeza profissional de banheiro começa sempre pela utilização correta dos EPIs (luvas e máscaras são itens fundamentais e, em alguns casos, botas de borracha também). Com os EPIs devidamente aplicados, há a adequação do serviço de acordo com a demanda de cada cliente, e isso inclui a periodicidade”, explica Marcelo de Souza Oliveira, gerente Operacional - Facilities. “Sempre orientamos para que seja iniciada com uma lavagem completa do banheiro, uma limpeza profunda com produtos alcalinos e bactericidas. Durante o dia, são feitas limpezas de manutenção, que variam de acordo com a movimentação no local. Nosso diferencial está na fiscalização e auditoria. Possuímos um check list completo, com as atribuições dos responsáveis em cada atividade”. Créditos: Worldtoiletday

Segundo a UN-Water – braço da Organização das Nações Unidas (ONU) que coordena esforços internacionais para questões de água e saneamento – em pleno 2018, 4,5 bilhões de pessoas vivem sem um banheiro adequado e 62,5% da população do mundo não tem acesso a saneamento seguro. Situações extremas como estas levaram a ONU a declarar o 19 de novembro como Dia Mundial do Banheiro (World Toilet Day, em inglês). Desde que foi instituída, em 2013, a data conscientiza
sobre a urgência na melhoria das condições de higiene e saneamento, e multiplica medidas ao redor do globo para
que todos tenham um banheiro seguro até 2030 (um dos 12 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável). Por isso, olhar com seriedade para a higienização de banheiros é fator primordial para a saúde e o bem-estar da sociedade. Na Limpeza Profissional, ele é considerado um dos locais mais críticos de manutenção, devido à quantidade de bactérias
e micro-organismos que pode proliferar, em especial no caso de banheiros de grande circulação, como em shopping centers, hospitais, estabelecimentos de ensino, restaurantes etc.

Fonte: www.un.org/en/events/toiletday

MECANIZAR É PRECISO

Possibilitar a realização de tarefas simultâneas ou de uma tarefa em tempo reduzido, a economia de custos e mais conservação ambiental. Estas são algumas das vantagens da mecanização na rotina de conservação de banheiros.

“No nosso caso, disponibilizamos para o mercado uma opção de lavadora pequena e compacta, que traz agilidade para a limpeza de pisos e lugares estreitos. Lava e seca para frente e para trás em apenas uma passada, deixando a área pronta para uso imediato, e pode limpar até 620m²/h”, explica o coordenador de Marketing de uma fabricante de equipamentos, Wagner Alves.

A mecanização oferece importantes recursos de efi ciência, como a redução de despesas com água e químicos, a limpeza em áreas mais amplas ou até executar várias operações com a mesma máquina. “Vale lembrar a importância de fazer o dimensionamento correto do equipamento e da área a ser limpa”, aponta Wagner. “Isto permite um investimento de cordo com as necessidades reais, garantindo economia para o cliente e maximizando a produtividade”.

Oferecer segurança e proteção para os responsáveis pela limpeza é outra vantagem da mecanização. Para esta tarefa, são de grande utilidade as lavadoras sanitizadoras, especialmente desenvolvidas para lavar e desinfetar sanitários. Além de mais efi ciência, a limpeza é feita sem o contato direto do operador, reduzindo drasticamente o risco de contaminações.

“O equipamento pulveriza a solução, mesmo em locais de difícil acesso e, posteriormente, efetua o enxágue e a aspiração, removendo todos os resíduos” enumera o diretor Geral da fabricante, Antonio Luis Francisco (PJ). “Todo o serviço é mecanizado e, por isso, não há necessidade de contato manual do trabalhador, aumentando os níveis de segurança ocupacional".

As sanitizadoras oferecem versões compactas, que podem limpar 50m² de superfície em dez minutos, ou opções mais robustas, que chegam a 100m² de área e 15 objetos sanitários em 20 minutos. Possuem acionamento elétrico ou à bateria – melhorando a mobilidade do equipamento.

O EXTRAORDINÁRIO MORA NOS DETALHES

Outra questão que faz a diferença na manutenção de banheiros é a escolha dos acessórios. Tecnologia e sustentabilidade têm tudo a ver com isso. O mop, por exemplo, representa uma excelente combinação de eficiência na limpeza de pisos, com economia de água e químicos. O equipamento evita ter que jogar água no chão, sendo uma solução excelente para a limpeza com pouca água e sem a necessidade de enxague.

“Nosso mop possui sistema semiúmido que permite melhor aproveitamento do produto químico e aumento da produtividade”, explica Osvaldo Logo, do departamento Comercial. “Foi desenvolvido para oferecer economia e rapidez na limpeza diária. Além disso, é produzido com peças resistentes e de simples reposição, oferecendo excelente custo-benefício”. Os dispensers também vêm despontando no quesito tecnologia e inovação. “Possuímos uma linha de dispensers que tem por objetivo transformar o modo como os banheiros são encarados pelo cliente. Unindo sofisticação, funcionalidade e economia, eles representam a embalagem perfeita para a linha de sabonetes e papéis certifi cados, focados em economia e sustentabilidade”, aponta Cesar Gesteira, diretor Executivo de uma rede de distribuidores de Higiene e Limpeza Profi ssional.

Todos os papéis da linha possuem a certifi cação FSC, que diz respeito à cadeia de custódia do papel, garantindo com isso a composição de 100% de celulose vinda de fl orestas renovadas, extraída dentro dos parâmetros legais, respeitando o ambiente e as comunidades de entorno.

“Por sermos especialistas em higiene e limpeza, também trabalhamos muito no diagnóstico”, explica Cesar. “Mais importante que o custo unitário de um item é enxergar todos os elementos envolvidos no 'sistema' dos banheiros – processos implementados, pessoas treinadas, ferramentas adequadas, uso consciente, produtos de alta performance, espaço de estoque, geração de resíduos, impacto ambiental etc. – o que nos permite reduzir o custo total da operação”.

QUÍMICA COM SUSTENTABILIDADE

Cada dia mais empresas vêm atrelando seus serviços às práticas de preservação ambiental. A escolha dos produtos químicos representa um importante passo para que o trabalho seja feito de maneira sustentável e consciente.

“Trabalhamos em várias frentes. Investimos em produtos ecológicos aprovados pelo Green Seal, certifi cação americana que valida itens fabricados com proteção aos recursos naturais. Nossos produtos de limpeza também são livres de fosfato, amônia e solventes. E, ainda, temos experimentado novos processos e equipamentos para reduzir o consumo hídrico. Com isso, conseguimos em um ano economizar mais de 11 mil litros de água”, comemora a gerente de Operações e Serviços, Maura Souza.

Outra aposta da prestadora é na utilização do gás ozônio (O3) para a higienização de ambientes. O gás se decompõe, não deixa resíduos e não é necessário o enxague. “O ozônio destrói rapidamente bactérias, fungos, esporos e vírus, não afeta o meio ambiente e, principalmente, a saúde de um de nossos maiores bens: os colaboradores”.