UMA DAS MISSÕES DA ABRALIMP É CRIAR estratégias para desenvolver o mercado de Limpeza Profissional e levar informação de qualidade a seus compradores. Por isso, no início de 2018, sua Câmara de Fabricantes e Importadores de Máquinas criou um Grupo Técnico (GT) destinado exclusivamente ao estudo de casos sobre os ganhos econômicos da mecanização da limpeza e sobre a eficiência das lavadoras de alta pressão de água quente na otimização dos processos de higienização. A revista HigiPlus conversou com o líder do GT, Rafael Ferrari, que apresentou os principais resultados deste levantamento.

HigiPlus: Quais os principais benefícios para uma empresa ao adotar a mecanização na limpeza?

Rafael Ferrari: Primeiramente, a redução de custos na operação, o que automaticamente faz aumentar os lucros. Além disso, a limpeza mecanizada proporciona maior controle operacional, maior produtividade e mais qualidade na limpeza.

HP: Quanto à redução dos custos, é possível comprovar isso em números?

RF: Sim. No caso de uma limpadora de piso elétrica de 40 litros, por exemplo, seu custo é de cerca de R$ 11 mil. Este equipamento realiza o trabalho de dois a nove operadores na lavagem e secagem do piso, dependendo da situação.

O custo bruto estimado de mão de obra de um auxiliar de limpeza é de R$ 2150,00. Assim sendo, o payback (tempo de retorno do investimento) do equipamento pode variar de um a dez meses e, portanto, trazer em um ano a economia de até R$ 200 mil.

HP: O que é o chamado Círculo de Sinner e qual sua relação com a limpeza?

RF: Em 1959, o engenheiro Químico Herbert Sinner definiu os quatro parâmetros principais para um processo de limpeza: a temperatura, o tempo, a ação química e a ação mecânica. O Círculo de Sinner diz que a diminuição ou eliminação de um desses fatores pode ser substituída pelo acréscimo de outro e ainda se obter o mesmo resultado final.

HP: Isto explica por que a água quente é mais eficaz que a água fria no processo de limpeza?

RF: Exato. Quando utilizamos a água fria, a pressão da água e seu impacto mecânico representam apenas um fator do Círculo de Sinner. Já ao utilizarmos a água quente no mesmo processo, a pressão da água e seu impacto mecânico, somados à alta temperatura poderão diminuir ou mesmo eliminar a necessidade de outros (agora dois) fatores do Círculo de Sinner.

HP: Que fatores poderiam ser eliminados, sem abrir mão do mesmo resultado?

RF: Diretamente, é possível diminuir o tempo de limpeza e secagem ou então diminuir/ eliminar o uso de químicos. Indiretamente, pode-se reduzir o nível de esforço e água, alcançando um mesmo resultado ou ainda obtendo um resultado melhor que o anterior. A água também possui função germicida em algumas superfícies e sujidades, eliminando a necessidade de descontaminantes.

HP: Sobre a eficácia da água quente, também é possível expressá-la em números?

RF: Sim. Com o uso da água quente é possível obter um acréscimo de até 35% na produtividade, o que permite realizar um trabalho com maior eficiência e em menos tempo.

HP: Que outros fatores influenciam o processo de limpeza?

RF: Fatores externos, como o tipo de superfície e a matéria caracterizada como “sujeira”, implicam diferentes métodos e processos de limpeza. No entanto, o poder de desincrustação da água quente é capaz de soltar e dissolver óleos, graxas e proteínas impregnadas nas mais variadas superfícies, materiais presentes em quase todos os setores profissionais.

HP: Poderia dar alguns exemplos dos setores onde a água quente pode ser aplicada?

RF: Na construção civil, para remoção de graxa, terra e concreto de veículos, maquinário e andaimes. Na área urbana, para limpeza de praças, escadarias, monumentos e calçadas, na eliminação de limo, ervas daninhas e pichações. Em estádios, clubes e similares. Para limpeza de brinquedos em parques aquáticos ou remoção de chicletes. Além da indústria, no setor automotivo, de logística e transportes, entre tantos outros, para remoção de graxas, óleos, gorduras e os mais diversos resíduos do processo produtivo.

HP: Há alguma restrição no uso da água quente pressurizada?

RF: Do mesmo modo que devemos promover seus benefícios, é preciso alertar quanto aos riscos, como o de queimaduras. Também há casos de inviabilidade de alguns processos específicos, como em frigoríficos, onde uma temperatura muito alta iria impregnar ainda mais algumas sujeiras. Da mesma forma que há a restrição em áreas com presença de gases tóxicos e explosivos. O correto é fazer uma análise prévia para confirmar a viabilidade e sucesso da aplicação da limpeza com água quente.