Limpeza em boa forma: saiba como é feita a higienização em academias e salões de beleza

O BRASIL É, HOJE, O QUARTO MAIOR MERCADO de beleza do mundo – atrás apenas dos Estados Unidos, China e Japão. A indústria de beleza brasileira emprega aproximadamente 5 milhões de pessoas. Além disso, uma pesquisa da Fecomércio apontou que o gasto das famílias brasileiras com beleza supera em 18% até mesmo os investimentos em educação.

Duas das vertentes mais visíveis deste mercado são as academias de ginástica e os salões de beleza, que não param de se multiplicar pelo país. Dados da Associação Brasileira de Academias (Acad) apontam que existem mais de 33 mil academias em todo o Brasil. Já os salões somavam 155 mil unidades em 2012, segundo o Sebrae. Hoje, já estão em 600 mil.

Por se tratar de locais de grande circulação de pessoas, oferecer um ambiente limpo é mais do que uma questão estética; é uma garantia de saúde para os frequentadores. Ambos os ambientes têm seus processos de higienização estabelecidos e controlados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que fiscaliza e avalia as condições de higiene dos locais e de seus equipamentos.
Descubra nesta reportagem da HigiPlus quais os procedimentos, produtos, máquinas, acessórios e descartáveis utilizados para manter salões e academias livres de contaminações.

CORPO A CORPO CONTRA A SUJEIRA

Pode-se dizer que, basicamente, há três pilares na hora de organizar os processos de higienização de uma academia de ginástica: a limpeza dos pisos, dos aparelhos e equipamentos de uso coletivo, e das áreas úmidas (banheiros e vestiários).

No caso dos pisos, é preciso considerar que os emborrachados (como de salas de ginástica e dança) devem ser limpos de forma diferente de pisos frios, para preservar sua durabilidade e a eficácia da higienização. Os mops e esfregões, sejam secos ou úmidos, juntamente com os baldes espremedores, são os equipamentos ideais para a limpeza de pisos. Já em relação aos químicos, o ideal é utilizar produtos neutros (para evitar alergias) e com alto poder bactericida. “Nosso portfólio conta com produtos que combinam o poder do peróxido de hidrogênio e tensoativos de última geração, oferecendo excelente performance de limpeza e desinfecção, inclusive com ação comprovada frente às bactérias Staphylococcus aureus e Salmonella choleraesius”, ressalta Douglas Koji Hosoda, diretor de uma fornecedora de materiais de limpeza.

A correta higienização de halteres, bicicletas, esteiras e colchonetes é primordial para evitar o acúmulo de bactérias que causam micoses e outras infecções. O recomendado é aplicar desinfetantes neutros. Dessa forma, a superfície dos equipamentos não será danificada e odores ruins (indicativos da presença de bactérias) não serão mascarados. Lembrando que toda academia deve disponibilizar álcool e papel-toalha para que o próprio aluno possa higienizar o aparelho, tanto antes quanto depois de sua utilização.

Por fim, banheiros e vestiários deve ser limpos constantemente, com detergentes e desinfetantes, panos multiuso de cores diferentes para cada tipo de superfície (a fim de evitar contaminação cruzada), e este trabalho deve ser feito por empresas especializadas, que oferecem equipes treinadas e munidas dos devidos EPI´s. Um cronograma também é indispensável para auxiliar na hora da faxina, com tabelas indicando quem deverá realizar o serviço, horários, frequência e servindo de registro para o controle das atividades.

Em relação à estrutura de banheiros e vestiários, lixeiras de sanitários devem sempre possuir sacos para acondicionar os resíduos e pedaleiras que evitam o contato manual. Devem contar com dispensers para álcool gel e sabonetes, preferencialmente também bactericidas. “Nossas saboneteiras possuem uma tecnologia chamada Biocote, um agente antimicrobiano que
reduz as bactérias, bolores e fungos da superfície dos dispensers”, explica o gerente de Vendas Brasil da fabricante,
Eduardo Duarte de Sousa. “E o sabonete bactericida traz 0.7% triclosan versus 0.3% que o mercado oferece, sendo capaz de eliminar 99,999% dos microrganismos”.

Para deixar o ambiente mais agradável, há ainda a opção dos odorizadores de ambiente. “Contamos com três categorias”, enumera Rafael Minhoto, do Marketing de uma fabricante. “O odorizador que neutraliza as moléculas que causam o mau cheiro em tecidos; o odorizador de ambientes líquido para borrifar; e a plataforma que leva a tecnologia em placas de celulose, instaladas em dispenser próximo à saída do banheiro. Com a ação mecânica da porta e o vento gerado, aciona e distribui o produto no ambiente”.

UM MERGULHO NA HIGIENE

Piscinas estão constantemente sujeitas à contaminação. Por isso, quando estão disponíveis nas academias, devem ser corretamente saneadas.

Além da limpeza mecânica, feita com filtros, escovas, aspiradores e peneiras, é preciso balancear a água com diferentes produtos químicos. O cloro serve para eliminar micro-organismos que causam doenças como micose, pé de atleta e inflamações nos olhos, nariz e ouvidos, e deve ser utilizado em proporção adequada ao volume da piscina. O equilíbrio do pH é garantido por kits vendidos especialmente para este fim. O pH que proporciona mais bem-estar ao usuário é em torno de 7,2, o mesmo pH do olho humano, por isso, o pH da água deve ser mantido entre 7,2 e 7,8. Para evitar o surgimento de algas é aplicado regularmente um algicida, que mantém a pureza e cristalinidade, e evita manchas esverdeadas nas bordas e nos cabelos.

Todos estes produtos podem ser empregados manualmente. Mas por meio de automatização existem vantagens. “Ao fazer a dosagem e/ou a diluição automática, evita-se o desperdício de consumo da dosagem manual”, explica o consultor de Vendas de um fornecedor, Claudinê Ferreira. “Além disso, com a automatização do tratamento, a piscina sempre estará pronta para uso, a qualquer momento, com dosagem e controle sempre perfeitos, por não dependerem de ação humana”.

ESTILO NÃO É NADA SEM HIGIENE

Um estabelecimento de beleza pode parecer inofensivo, mas o descaso com a limpeza ou esterilização de utensílios pode causar doenças graves. Alicates, por exemplo, podem transmitir dermatoses, micoses, hepatite e até aids. Escovas e pentes também não estão livres de micoses ou do fungo que transmite a caspa, o Pityrosporum ovale.

Por isso, desde janeiro de 2012, a Anvisa regulamenta todas as atividades profissionais ligadas a salões de beleza (cabeleireiro, barbeiro, manicure, pedicure, depilador, maquiador, esteticista etc), além de fiscalizar as condições de higiene destes locais.

Parte desta higienização muitas vezes é providenciada pelo próprio cabeleireiro ou manicure, mas é preciso ficar atento ao que está fora do escopo destes profissionais: limpeza geral de pisos, superfícies, espelhos, banheiros e áreas de espera. Para isso, o indicado é investir em uma limpadora especializada. “Ter uma limpeza qualificada é a segurança de ter um serviço de excelência, pois é um ambiente que exige alto nível de controle para não afetar a saúde dos clientes”, enfatiza Fábio Mello, diretor Geral de uma limpadora. “Além disso, é preciso uma equipe capacitada que perceba qual o nível de sujidade em cada área, e que use o equipamento correto sem afetar as demais. Muitos locais possuem tipos de bactérias e infectantes que podem ser transferidos para outras áreas, se higienizados com o mesmo equipamento”.

BARBA, CABELO E LIMPEZA

Na área de cabeleireiro, resíduos de cabelos e barba devem ser retirados com uma vassoura e pá ao final de cada corte. Potes e pincéis de coloração precisam ser higienizados no lavatório logo após o uso. Escovas e pentes devem ter os fios presos retirados e depois lavados com água e sabão, enxaguando abundantemente. Toalhas devem ser utilizadas uma única vez.

Manicures devem lavar as mãos com sabonete líquido de ação bacteriostática entre uma cliente e outra, e esterilizar alicates e outros objetos metálicos em uma autoclave (aparelho eletrônico que age à temperatura elevada, colocando os utensílios em contato com vapor de água por tempo suficiente para destruir os agentes patogênicos). Para amolecer cutículas, deve-se usar algodão umedecido ou luvas e botas plásticas descartáveis com emolientes e hidratantes. Na opção de pequenas bacias, é preciso forrá-las com plástico trocado a cada cliente.

Maquiadores devem lavar seus pincéis com sabonete bactericida e luvas de borracha. No caso de material sintético, esfregar de duas a três vezes. Caso o material seja natural, uma vez basta. Depois, usar condicionador e deixar secar naturalmente. E setores de depilação devem seguir a recomendação da Anvisa de que macas, cadeiras, travesseiros, colchões e almofadas sejam revestidos com material impermeável, resistente e de fácil desinfecção. Reforçando que ceras jamais devem ser reaproveitadas, pois podem transmitir várias infecções de pele, incluindo micoses.

Diariamente, o salão deve ser varrido ao final do expediente para retirada dos últimos cabelos, resíduos de lixamento, unhas, pele, poeira, entre outros, fazendo a higienização com desinfetante adequado ao tipo de piso para eliminar germes e bactérias. E todo o lixo deve ser acondicionado de acordo com sua natureza e devidamente descartado.

Participaram desta reportagem: DEB (divisão SC Johnson), Diversey, Doctor Limp Soluções em Limpeza, Seko e sites de notícias.