Palestra com Alexandre Prado Betti abordará metodologias para que empresas do setor de limpeza possam ampliar participação de PCDs em seus quadros

PCD / Freepik

De acordo com a Lei nº 8.213/1991, toda empresa acima de 100 funcionários deve contar com pessoas com deficiência (PCD) em seu quadro de funcionários, variando entre 2% e 5% do total de colaboradores. Quem descumprir a lei está sujeito à autuação por parte da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho. O mesmo vale para o mercado de limpeza profissional, que deve olhar para o tema em busca de mais diversidade e inclusão na área. 

Esse é o tema da palestra PCD no mercado de Limpeza Profissional, exclusiva para associados da Abralimp, que ocorrerá em formato híbrido, no dia 7 de junho, no Auditório da Fundação UniAbralimp, em São Paulo com transmissão via Zoom. Na ocasião, Alexandre Prado Betti, consultor especialista no Instituto Diversitas, vai abordar a história do Emprego Apoiado, como ele funciona, e como as empresas podem se beneficiar desta metodologia para ampliar e qualificar a contratação de profissionais com deficiência.

“O objetivo é mostrar como pessoas em situação de deficiência mais significativa podem trabalhar e agregar valor para a empresa, por meio de uma metodologia que torna isso possível para o público que enfrenta maior dificuldade para ter trabalho”, informa Betti.

Hoje, mais do que cumprir com a legislação federal, empresas do setor de limpeza veem uma possibilidade de mão dupla ao empregar esses profissionais. Luciana de Moura, gerente técnica da Sodexo, ressalta que o mercado de limpeza pode absorver profissionais menos qualificados e, com isso, promover um treinamento que faça com que todo o setor ganhe escala com colaboradores moldados para seus objetivos.

“Esses profissionais não podem ser vistos apenas como parte da cota estabelecida pelo governo. São profissionais. Vendem parte do tempo de seu dia para uma empresa”, explica a gerente técnica. “Nós, como empresa, precisamos ser responsáveis com esses profissionais. Isso quer dizer que nós temos que aplicar, no colaborador PCD, todos os direitos e deveres do colaborador sem deficiência. Mas as empresas precisam se preparar para serem ambientes inclusivos, em que esses colaboradores vão se sentir acolhidos. É o que chamamos de respeito. Aqui, o respeito e a responsabilidade precisam andar juntos.”

Dia a dia da empresa com diversidade

Daniel Carbonel, da inService Group / Divulgação

Daniel Carbonel, da inService Group / Divulgação

Daniel Carbonel, gerente regional na inService Group, conta que a empresa possui um número expressivo de PCDs treinados e desenvolvendo suas atividades plenamente. Mais do que isso: a inService tem a meta de dobrar, em São Paulo, a quantidade de PCDs contratados, treinados e aptos a exercerem suas funções plenamente. “Vimos a inclusão de PCDs em nossos processos de limpeza como uma questão natural, sempre respeitando as limitações de cada um, mesmo os não PCDs”, explica em entrevista à Revista Higiplus.

Segundo ele, há investimento constante em treinamentos e, também, há uma preocupação em trabalhar junto com os clientes e parceiros da inService para que a inclusão aconteça.

Olhando para todo o setor, Daniel ressalta que é importante promover o engajamento de toda a equipe ao redor dessa inclusão. “O primeiro passo para obter sucesso é ter um time de RH, supervisores e gerentes bem treinados e engajados na ideia de inclusão de PCDs no mercado de limpeza”, diz. “Se houver incentivo em cada empresa para que este tema seja mais claramente explanado e trabalhado, há o ganho de uma equipe plural e certamente capaz de fazer a diferença: a inclusão de PCDs no mercado de limpeza.”

O Emprego Apoiado produz mudanças significativas nos valores das organizações e dos profissionais. Para Betti, a presunção de empregabilidade está entre os principais desafios. “Com apoio, sem barreiras e com soluções individuais todos são empregáveis”, defende ao explicar que é preciso mostrar que essa prática de dizer que existem pessoas que podem trabalhar e outras não é algo que precisa ser superado, e esse é o objetivo do Emprego Apoiado: apontar as soluções e caminhos para que todos possam trabalhar, sem rótulos.

A palestra PCD no mercado de Limpeza Profissional é uma grande oportunidade para os associados da Abralimp debaterem esse tema tão importante com o especialista Alexandre Prado Betti. Para saber mais sobre o evento, entre em contato com a equipe da Abralimp pelo e-mail: [email protected].  

Fonte: Abralimp

Fotos: Freepik e Divulgação