A importância da economia dos recursos hídricos nos processos de limpeza

Fundamental para a vida e sobrevivência humana, a água vem ao longo dos tempos se consolidando como um dos grandes agentes causadores de disputas geopolíticas em detrimento ao petróleo.

Considerada um dos maiores riscos globais da atualidade, a escassez do elemento tem se tornado um desafio cada vez maior em todo o mundo. Segundo a Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), menos da metade da população mundial tem acesso à água potável.

Em linhas gerais o uso doméstico da água representa apenas 6% do consumo. Porém, 73% é destinado à irrigação e 21% para a indústria. Desta forma 35% da população mundial não tem acesso à água tratada. Para piorar 43% da população mundial não tem acesso aos serviços de saneamento básico.

Como resultado dez milhões de pessoas morrem todos os anos em decorrência de doenças transmitidas pela água imprópria para consumo. Desta forma, na atualidade a água vem se tornando um desafio cada vez maior para a humanidade.

Enquanto em países como Nigéria o consumo per capita diário de água é de apenas 15 litros, nos Estados Unidos são consumidos 575 litros. No Brasil o consumo é de 185 litros/pessoa ao dia.  Mas a recomendação da ONU (Organização das Nações Unidas) é o consumo de 110 litros por pessoa/dia.

Para agravar o quadro de escassez dos recursos hídricos está a pandemia, que jogou luz sobre a questão da higienização e o protocolo básico de lavagem frequente das mãos para evitar a transmissão do coronavírus. Desta forma, o uso inteligente da água é fundamental na atualidade.

Consumo racional

Marco Dutra da Kärcher.

“Dado o potencial de escassez de água que o Brasil enfrenta, somada às crises hídricas já enfrentadas pelos brasileiros, nota-se que a racionalização do consumo de água é imprescindível. Nesse quesito, tecnologia e limpeza devem cooperar para esse objetivo.”, pondera Marco Dutra, da Karcher.

Para tanto todas as tarefas de limpeza devem ser feitas de maneira responsável, observando as rotinas e processos adequados. “Por exemplo, se em uma primeira etapa executamos a varrição ou a aspiração dos pisos, poderemos utilizar uma menor quantidade de água no processo de higienização. Lembrando sempre que, para uma higienização de superfícies adequada, a limpeza é fundamental”, acrescenta Dutra.

Ainda segundo o executivo são imprescindíveis a conscientização do uso racional deste recuso natural; a utilização de equipamentos que evitem desperdício que contem com dosagem ou redução de água no processo; e o treinamento operacional.

Sacha Haim, diretor da Alfa Tenant também alerta que tradicionalmente a limpeza realizada no país ainda é realizada com baldes, muito sabão, vassoura para esfregar o piso, rodo para conduzir ou recolher o excesso e, finalmente, o famoso pano de chão para o acabamento. “Neste processo gasta-se muita água, muito sabão e tempo de mão de obra.

O executivo explica ainda que em um processo um pouco mais avançado, a utilização de enceradeiras ou lavadoras de alta pressão resultam em menor consumo de água, sabão e mão de obra.

Dutra faz coro e acrescenta: “por isso o uso racional da água sempre foi tema importante no setor de limpeza profissional, utilizar equipamentos que reduzem o consumo é responsabilidade de todos os usuários. E a mecanização vem atuar a favor da economia de água, comparado com o processo manual. Por exemplo, a lavadora de alta pressão pode consumir até 80% menos água se comparada com o volume utilizado com torneiras; sem contar a redução em energia elétrica”.

Produtos adequados

Sacha Haim da Alfa Tenant.

 Para atingir o objetivo de economizar água é necessário adquirir um equipamento correto e de qualidade, além de treinar e habilitar os operadores para realizar as manutenções devidas. “É igualmente importante criar rotinas especificas no processo de limpeza já que não é necessário realizar limpeza restaurativa a todo momento. Portanto, para cada etapa o ideal é utilizar o mínimo necessário de água para dar nossa contribuição ao meio ambiente.”, orienta Dutra.

“Além disso, a limpeza a vapor também tem papel importante, pois com uma quantidade pequena de água e com as altas temperaturas obtidas é capaz de eliminar até 99,99% de diversos tipos de vírus e bactérias de superfícies.”, diz o executivo.

Já Haim também pontua que a utilização de lavadoras de piso representa uma grande economia de recurso hídrico em comparação aos demais processos, já que estes equipamentos dispõem de ajustes da quantidade do líquido utilizado no processo permitindo realizar a limpeza de grandes áreas com baixo consumo.

“Ou seja, quanto mais mecanizado é o processo menos água”, enfatiza o executivo. “Por isso recomendamos a utilização de lavadoras de pisos bem dimensionadas para garantir que o uso da água seja o ideal, suficiente para lavar com a maior economia possível”, diz Haim.

Sergio Del Papa Jr, do TDE Group acrescenta que, além da utilização de equipamentos específicos também é necessário utilizar produtos que dispensam enxague após aplicação. “Além disso, é importante escolher modelos que consomem menos produtos por área aplicada e também recolham os resíduos gerados.”, ensina.

“Não é apenas a diluição dos produtos químicos e o enxague da limpeza que impacta. Soluções que não agridem a saúde das pessoas nem ao meio ambiente são a melhor opção”, esclarece Del Papa.

Além disso, os especialistas também apontam a correta utilização dos equipamentos como fator importante para poupar água. “As lavadoras de piso possuem controle de fluxo e este volume deve ser usado de acordo com a sujidade do piso. Por isso a avaliação previa da sujidade é importante para definir frequência, quantidade de água e especificação do produto químico, pois um equipamento bem conservado também será mais eficiente e econômico”, diz Haim.

Limpeza em evidência

Sergio Del Papa Jr da TDE Group.

Para Del Papa, como a frequência da higienização dos locais com base na utilização destes espaços continua sendo a prioridade dos protocolos sanitários para retomada das atividades e manutenção dos ambientes seguros e saudáveis é importante também considerar a realização dos processos de limpeza com produtos como ozônio aquoso, sanitizadoras e lavação com vapor quente, entre outros.

“A limpeza nunca esteve tanto em evidencia quanto nos dias atuais. Seguiremos buscando soluções inovadoras com foco em qualidade, segurança e economia”, destaca Haim.

De acordo com Dutra é imprescindível nesse momento de pandemia conscientizar a população da necessidade de higienização e disponibilizar sempre, os equipamentos mais eficientes no âmbito de eliminação de bactérias/vírus e consumo consciente de água e energia elétrica.

“Seguindo os protocolos sanitários, mecanizando os processos de limpeza, evitando as contaminações cruzadas em todos os ambientes, capacitando e treinando os colaboradores sobre a importância da proteção individual (uso de EPI’s) teremos condições de realizar a limpeza dos ambientes deixando-os saudáveis para proporcionar bem-estar.”, arremata o executivo.

 

 

Fonte: ABRALIMP.

Foto/Divulgação: ABRALIMP.