Como proporcionar ambientes seguros aos usuários

Enfim, as férias! Com elas a oportunidade de viajar, sair para passear, ir ao shopping, já que a gradual flexibilização das medidas restritivas está fazendo com que muita gente opte por retomar viagens e passeios para aproveitar o período.

No entanto, o aumento de fluxo de pessoas em ambientes como praças de alimentação e paradas de apoio em estradas, chama a atenção para a importância da correta higienização para proporcionar ambientes seguros aos usuários.

Marco Amatti, diretor adjunto da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), explica que é preciso preparar cronogramas mais flexíveis, que permitam maior frequência de limpeza e higienização destas áreas.

“Muitas vezes aumentando a equipe em momentos de pico, além de intensificar os treinamentos nos procedimentos necessários para real eficiência destas atividades”, destaca.

Além disso, o especialista, que é químico industrial, consultor de alimentação fora do lar, membro profissional do FCSI (Foodservice Consultants Society International), chama a atenção para ocorrências comuns, mas que tendem a aumentar com o uso intenso.

Entre elas estão queda de copos com bebida, acúmulo de resíduos de alimentos e descartáveis como saches e papéis engordurados, entre outros. “Muitas vezes esses materiais colocam em perigo clientes que podem escorregar e cair, causando acidentes com gravidade”.

Na visão de Amatti, em praças de alimentação, é importante ter um check list com verificação de mesas, cadeiras, lixeiras e pisos. “Além disso, é importante contar com equipe de prontidão para retirada de louças que caem no chão e quebram, assim como resto de alimentos, por exemplo.”, diz ele, que segue acrescentando: “isso deve ser planejado para o bem-estar dos clientes”.

Marco Amatti, diretor adjunto da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes).

Aumento na frequência

Além disso, aumentar a frequência na higienização das superfícies e intensificar o treinamento são outras recomendações dadas pelo profissional. “Disponibilizar equipes compatíveis com as áreas a serem mantidas forma um bom tripé. Logicamente, utilizando produtos e equipamentos à altura para a missão”, reforça.

Outro ponto de atenção é a pandemia, propriamente dita. Apesar da retomada das atividades, o coronavírus ainda não foi debelado e novas variantes, como a recém-detectada Ômicron, seguem assuntando e chamando a atenção para a importância da vacinação e uso de máscara.

“O uso de máscaras ainda é um recurso importante para clientes e funcionários em ambientes fechados.” No entanto, segundo o especialista, o maior desafio é o comportamento das pessoas, principalmente após uma refeição.

“Como o distanciamento, em tese, não é mais vigente, no caso de uma praça de alimentação as pessoas deveriam diminuir o tempo de ocupação das mesas”, alerta. “Longos bate-papos sem máscara podem aumentar os riscos de transmissão do vírus”,diz, para arrematar: “mas não vejo como um plano bem elaborado não seja bem-sucedido”.

De olho nos banheiros

Unanimidade entre os usuários, a atenção com banheiros é outro item importante para as equipes de limpeza. “Neste caso, é muito importante ter equipes mistas com homens e mulheres, já que fica muito mais difícil interditar sanitários para limpeza em dias de alto fluxo”, indica Amatti.

Além dos cuidados com a limpeza, a recomendação dada pelo profissional é verificar as condições de uso dos vasos sanitários, conferindo se há entupimentos e vazamentos.

“Checar também se sabonete e papel higiênico e das mãos estão disponíveis para os usuários, ou se o secador de mãos está em condições de funcionamento. Tudo isso faz parte do check list para o bom funcionamento”. De quebra, ter um cronograma com registro de limpeza e verificação é necessário e funcional para a segurança dos clientes.

Outra dica de ouro é considerar que, se o estabelecimento estiver em região de previsível aumento exagerado de demanda, preparar previamente uma estratégia para situações emergenciais. “Contar com um pequeno exército de pessoas bem treinadas, armadas com produtos e equipamentos adequados para atuar em equipe. Desta forma nenhuma sujeira fica para trás!”, conclui.

 

 

Fonte: ABRALIMP.

Foto/ Divulgação: ABRALIMP.