Limpeza pós-obra: perspectivas para o mercado

Apesar da retração ocasionada pela pandemia o setor da construção civil deverá atingir em 2021 o maior crescimento em oito anos. Segundo dados divulgados no final de 2020 pela Câmara Brasileira da Construção Civil (CBIC) o PIB (Produto Interno Bruto) do segmento deve aumentar 4%.

Na esteira do aquecimento está o aumento da demanda de serviços pós-obra, tema da conversa desta edição do Higiplus Entrevista com Luiz Mattos, diretor de marketing da Abralimp e também associado da entidade.

Entre outros pontos o convidado aborda o impacto e as oportunidades de negócio para o mercado de limpeza profissional. “Novos lançamentos e reformas estão alavancando o setor da construção e isso impulsiona a limpeza pós-obra, que, em decorrência de diversos fatores, tem necessidades diferentes”, explica o entrevistado.

“A última coisa a entrar em uma obra é a limpeza e acredito que muitas empresas já estão atentas a esse movimento. Começamos neste nicho há mais de 20 anos e nunca deixamos”, relembra o convidado, que acrescenta: “com isto movimenta-se não apenas limpadoras, mas fabricante de químicos e maquinários, além de ferramental e materiais apropriados fazendo com que toda a cadeia produtiva cresça”.

Demanda em alta

Para Mattos, obras preventivas, de retrofit e reforma em geral em diversos setores também têm incrementado a procura pelo serviço. “Sem dúvida é uma demanda que deve ser atendida com qualidade necessária, conhecimento e expertise”, alerta.

O especialista destaca que o perfil do contratante é diferenciado – principalmente para o segmento residencial – que requer o envolvimento com expectativas e sonhos dos proprietários. “A pessoa entra ao final da execução do serviço e vê a concretização de um desejo. E isso acontece também na área corporativa. Por isso é importante estar preparado e oferecer muita qualidade e soluções para as mais diversas necessidades”, salienta.

Para tanto, a capacitação é fundamental. “É essencial realizar um levantamento técnico, checar os tipos de materiais e grau de sujidade para verificar possíveis danos. Após esta etapa um descritivo geral deve ser feito e operacional deve estar treinado e motivado para executar o trabalho”, ensina Mattos. “O acompanhamento deve acontecer durante todo o procedimento”, completa o convidado.

Além disso, a procura por cidades próximas aos grandes centros urbanos também têm aquecido o mercado de limpeza pós-obra em diversas regiões. “Mas é preciso ter equipe muito bem treinada para atender a demanda”, ressalta Mattos.

 

Clique aqui para assistir ao bate-papo na íntegra!

 

Fonte: ABRALIMP.

Foto/ Divulgação: ABRALIMP.