Mais do que uma percepção, a influência do uniforme sobre o comportamento do trabalhador é uma realidade científica. Um estudo realizado pela Universidade de Northwestern (EUA) provou como o traje profissional pode afetar – para o bem ou para o mal – o desempenho do trabalhador. O fenômeno, chamado enclothed cognition (cognição indumentária, em tradução livre), aponta que a roupa transforma o estado psicológico do indivíduo, influenciando não apenas o valor que dá a si mesmo, mas sua atenção, concentração e a forma de executar o trabalho.

Além disso, o uniforme é a identidade da empresa, a forma como ela é percebida pelo mercado. Por isso, muitas vêm apostando em modelagens mais modernas e clean, que em nada lembram os uniformes de alguns anos atrás. Mas todas essas mudanças envolvem custos, sem falar que as várias etapas da fabricação de peças de vestuário, bem como seu descarte incorreto, resultam em sérios impactos ao meio ambiente.

Por isso, é cada vez mais comum o mercado buscar alternativas para aumentar a vida útil dos uniformes, e uma vertente que vem crescendo de maneira exponencial é o serviço de lavagem seguida da recuperação das peças, com soluções alinhadas à preservação ambiental.

Economia de mais de R$ 20 milhões ao ano

No atendimento aos setores de Limpeza Profissional e Segurança, uma lavanderia que vem se destacando por essa postura inovadora é a Lava & Pronto. “A ideia de fornecer não só a higienização, mas a recuperação e pequenas reformas, veio da necessidade dos clientes em economizar na compra de seus uniformes”, destaca o sócio proprietário, Danilo Volante. “A pandemia trouxe uma falta de tecidos ao mercado e, além de os clientes não terem como efetuar suas compras de forma habitual, também precisavam de imediato reduzir custos. Então, percebemos que o mercado pedia algo novo e nossa principal motivação foi enxergar o desperdício de peças que iam para descarte, mas que podiam ser reutilizadas e receber uma segunda vida”.

O processo de recuperação dos uniformes começa com a coleta das peças na empresa do cliente – que não precisam passar por qualquer tipo de triagem prévia. Depois vem a higienização, feita com todos os laudos necessários a esse tipo de serviço. Na sequência, acontece a reforma dos uniformes. “Nossa equipe seleciona todas as peças que precisam de trocas de zíper, colocação de botões, ajustes de forros, entre outros, e executam a recuperação completa”, explica Danilo.

Depois, todas as peças são classificadas em dois tipos: categoria ‘A’ para peças que são devolvidas ao cliente em estado de novas, e categoria ‘B’ para peças com pequenos desgastes, geralmente entregues a colaboradores em período de experiência, devido ao alto turnover do setor. Desta forma, se o colaborador permanece na empresa após o período inicial, recebe um uniforme novo. Além disso, a lavanderia também identifica os tamanhos de todos os uniformes e gera um relatório ao cliente, para que sua área de Almoxarifado tenha um controle eficaz sobre a entrada de cada peça.

“Temos conseguido em média um reaproveitamento de 60%. Para o mercado de Limpeza Profissional e Segurança, recuperamos 288 mil peças em 2021. Ou seja, todos aqueles uniformes que os clientes não iriam mais utilizar e iriam descartar, se transformaram em uma economia estimada de mais R$ 20 milhões em um ano, fora a higienização de mops, panos alvejados e refis de microfibra”, comemora Danilo.

Mas nem todas as peças podem ser recuperadas, e aqui entra a solução ecológica. “O descarte pode acontecer de duas formas”, diz Danilo. “Aquelas que não possuem logomarca, como calças ou camisas sociais, são doadas a instituições certificadas, como Amigos do Bem ou Casa de Davi, entre outros. Já as peças com logomarca são enviadas para incineração com coprocessamento, feita por uma empresa ambiental homologada, que faz a retirada desses uniformes conosco, os incinera e destina os resíduos para serem usados como composto para adubos ou em misturas de carvão, com todo o processo também certificado”.

Uma coisa impossível negar é que a pandemia abriu portas e mentes para novas soluções comerciais. E se há algum tipo de legado positivo, certamente é a maior atenção dada às soluções que podem beneficiar também o meio ambiente.

 

 

Fonte: ABRALIMP.

Foto/ Divulgação: ABRALIMP.