Treinamento, equipamentos adequados e condições meteorológicas são os principais pontos de atenção para realizar a limpeza em altura com qualidade e segurança

Altura

As expectativas são positivas para quem presta o serviço de limpeza em altura. Nos últimos anos, com a pandemia e a consequente redução do uso de edifícios comerciais, houve redução das atividades nessa área.

No livro Oportunidades Brilhantes em Momentos Difíceis no setor de Limpeza Profissional – O que mais Cresce no Mundo, Marco Antonio Briza, diretor da iLavou Limpeza e Higienização de Ambientes, associada à Abralimp, reforça que, com a retomada gradual das atividades econômicas, essa é uma atividade que terá grande procura, especialmente pela sujidade elevada que pode ser identificada nas ruas.

“É possível prever que, com a volta das atividades, o mercado de limpeza, em geral, deve crescer de maneira bem acentuada. Quem estiver preparado tecnicamente e com pessoas treinadas de acordo com as normas vigentes, com certeza sairá na frente e terá um bom crescimento”, explica.

A atividade é essencial, mas exige uma série de cuidados e medidas de proteção, especialmente para os profissionais que exercem a função nas alturas. Para falar mais sobre o assunto, a Revista Higiplus conversou com empresas do setor.

Medidas de segurança

Para que todo processo seja feito com o máximo de segurança, é preciso seguir uma série de medidas preventivas e ter atenção com as normas, como explica Marcelo Krings, diretor da UK Engenharia.

“Ao longo dos últimos anos, especialmente desde 2012, uma série de normas foram instituídas por especialistas para balizar, ainda que parcialmente, as atividades em altura no país. O projeto e a execução de sistemas de segurança, depois de instalados e as pessoas realizando atividades em altura, é o primeiro passo importante para atividades seguras”, comenta.

Além de normas e questões legislativas, é importante que o profissional esteja protegido e orientado, por meio de treinamentos e cursos, para que assim, esteja capacitado para realizar a operação com segurança, como explicam Briza e Renato Affonso, diretor da STA Vertical.

“O primeiro aspecto que deve ser analisado sempre é a segurança do trabalhador. É importante verificar em que local serão feitas as ancoragens e, em casos de estruturas já existentes, tem de se verificar se suporta a carga do trabalhador. É preciso também fazer o processo de descida ou subida seguindo as normas, com uso de duas cordas, sendo uma delas a principal para o equipamento de descida. É importante verificar a validade dos equipamentos do trabalhador”, reforça Affonso.

“O serviço em altura, acima de dois metros, requer uma certificação de treinamento na Norma NR-35. É uma certificação importante e obrigatória para os colaboradores que pretendem realizar esse serviço. Conhecer os equipamentos, aprender a utilizá-los, tomar conhecimento dos riscos que envolvem o trabalho em altura são itens de vital importância para a segurança do colaborador e ajudam na redução do tempo de exposição ao risco e do cumprimento do serviço além de permitir uma boa qualidade no objeto final do contrato, no caso a limpeza de vidros, por exemplo”, diz Briza.

Condições meteorológicas  

Um dia chuvoso com muitos raios e ventania pode influenciar na atividade de limpeza em estruturas elevadas. Por norma, não é permitido. A corrente de vento deve estar abaixo de 29 quilômetros por hora, e é proibido realizar atividades com cordas durante a chuva ou com descargas magnéticas atmosféricas. O efeito do sol deve ser prevenido com a utilização de protetor solar de boa qualidade com filtro adequado.

No período noturno, é importante ter atenção com as condições de iluminação e com as características do edifício. Assim é possível evitar complicações, como comenta Krings: “A alteração climática impacta a implantação de sistemas assim como o trabalho em si, como em uma limpeza técnica em altura. Existe regulamentação para esse tópico e algumas empresas têm suas próprias normas que, normalmente, são mais severas que a normatização vigente”.

Limpeza nas alturas na prática

Michelle Anástacio, da Start Rope / Divulgação

Você já se perguntou como são feitas e qual a experiência da limpeza dos pontos turísticos, prédios comerciais e outras grandes estruturas que estão presentes na sua cidade? A seguir, contaremos relatos com projetos desse tipo.

“Há alguns anos, fizemos um trabalho inédito em São Paulo, no Rio Pinheiros, com toda a limpeza da estação de metrô Santo Amaro. O espaço possui mais de 100 metros de comprimento, com vidros côncavos nos dois lados da estação. Foram mais de 100 vidros para higienizar. Foi interessante, pois os vidros nunca tinham sido higienizados e exigiu entender também quais os produtos mais adequados para a operação”, explica Affonso.

Michelle Anástacio, supervisora da Start Rope, comenta sobre a experiência da limpeza na Torre Santander, localizada na Vila Olímpia, em São Paulo: “Foi muito desafiador por diversos fatores, tanto pela altura – foram quase 140 metros. Foi um trabalho longo de muito planejamento e organização, para que fosse possível concluir com sucesso e segurança”.

Com mais de uma experiência em construções nas alturas, Briza compartilha os principais desafios enfrentados.

“Eu já comandei serviços muito complexos como salvatagem (medidas que minimizam ou evitam desastres) de plataformas de petróleo, troca de fibra ótica na P-33, serviços de troca de tulipas dos queimadores de várias plataformas e reparo em tanques de petróleo de plataformas de produção. Um dos grandes desafios foi a Ponte Estaiada sobre o Rio Pinheiros e a limpeza de 1,2 mil janelas de um banco, que fizemos em 10 dias”, relembra.

Krings, além de compartilhar sua experiência, também explica uma situação curiosa: “Trabalhei em diversos locais como em eventos dentro do Ginásio do Ibirapuera em shows. Aqui vai uma curiosidade: uma vez não pudemos iniciar um trabalho pois no prédio em questão não havia linhas de vida (cordas que ligam o trabalhador ao sistema de ancoragem). Sim, não tinha, e éramos nós que iriamos montar as linhas de vida”.

Preparação e capacitação

É unanimidade entre os maiores especialistas do mercado, que a qualificação é um importante caminho para treinar os profissionais e fazer com que tenhamos um mercado cada vez mais qualificado.

A Fundação UniAbralimp conta com diversas opções de cursos profissionalizantes com diferentes assuntos da limpeza profissional, que são voltados desde a gestão até o operacional. Confira a grade completa aqui e invista agora na sua profissionalização ou da sua empresa.

Fonte: Abralimp

Fotos: Divulgação