Evento de premiação também marcou os dez anos do grupo Mulheres em Facility, Management e Workplace

Reunião de fundação do grupo em 26/11/2011.

No final do mês de novembro, Lívia Gomes Lourenço Rodrigues, ou simplesmente Lívia Lourenço – como é conhecida – foi agraciada com o Prêmio Mulher Destaque em FM, concedido pelo Grupo Mulheres em Facility, Management e Workplace. Na ocasião, o grupo também celebrou 10 anos de atividades e o esforço para reconhecer as profissionais que desempenham seus papéis com excelência.

Fátima Sousa, idealizadora e fundadora do grupo Mulheres em Facility Management e Workplace e atual presidente do Conselho, lembra que ao longo de sua carreira sempre conviveu com muitos homens. Até chegar aos dias de hoje, foi preciso muito empenho e envolvimento das profissionais para que o setor ganhasse destaque.

Tudo começou quando, em certa ocasião, ao conversar com a amiga e também profissional da área Rosângela Manteigas (atual presidente executiva do grupo), concluíram que era o momento de unirem as mulheres que trabalhavam direta ou indiretamente no mercado para promover a visibilidade. “E, principalmente, nos ajudarmos”, relembra.

A partir daí, a ideia foi tomando corpo e outras amigas foram envolvidas no propósito. “Combinamos o lançamento em um café da manhã em 26 de novembro de 2011”, conta Fátima. Muitas profissionais foram convidadas, porém somente 10 conseguiram participar do encontro. “Hoje, elas são consideradas co-fundadoras.”

Graças a esse empenho em promover o segmento, Lívia recebe de sua antecessora Irimar Palombo, a tarefa de seguir consolidando a presença das mulheres na profissão. Realizada desde 2018, a premiação tem como objetivo promover o empoderamento, assim como o networking.

 Conquista

Lívia Lourenço, ganhadora do prêmio Prêmio Mulher Destaque em FM.

Responsável por uma equipe composta por cinco colaboradores diretos, 25 fornecedores e mais 53 terceirizados, Lívia tem como atribuições cuidar de pessoas, fornecedores e, dos clientes – o bem mais importante na operação.

Sob sua batuta estão o gerenciamento da sede da presidência da Bunge Brasil – com cerca de 12 mil m2 e 800 usuários, localizada no bairro de Pinheiros – e pelo Centro de Excelência Bunge, localizado no Jabaquara, ambos na capital paulista.

“As mulheres estão conquistando o seu espaço cada vez mais no segmento de FM. Mas ainda falta muito…”, aponta a profissional. Apesar de já notar a presença feminina na liderança por onde passa: “seja uma associação, área de FM ou mesmo em um grupo informal. É da natureza da mulher o cuidado com pessoas, o olhar de dona e a cobrança do detalhe perfeito, competências primordiais para nossa área”.

Avaliação

Fátima Sousa, idealizadora e fundadora do grupo Mulheres em Facility Management e Workplace e atual presidente do Conselho.

O prêmio “Mulher Destaque em Facility Management e Workplace” nasceu com a mesma vocação do grupo: dar voz às mulheres do mercado de FM e ter uma representante com atuação destacada na função.

Para tanto, foram avaliadas várias funções e peculiaridades das candidatas ao posto. Critérios como comunicação e envolvimento nos grupos, entre outras habilidades pessoais e profissionais, foram analisadas por uma comissão julgadora. Após esta etapa, a escolha das indicadas aconteceu por meio de votação, indicação do mercado e associados do setor.

Durante um ano elas foram avaliadas com uma matriz de habilidade, que resultou em uma nota. A partir daí a diretoria executiva e o conselho do grupo compilaram os dados que resultou na nota final.

“Solicitamos a vários profissionais que, durante um período, acompanhassem as indicadas e as pontuassem de acordo com alguns critérios pré-estabelecidos. Depois de recebermos todas as avaliações, consolidamos e resultou na candidata com maior pontuação”, conta Fátima.

No entanto, a decisão foi muito apertada, já que as seis indicadas: Ana Cláudia Machado, Ana Paula Araújo, Andrea Braune, Lívia Lourenço, Sabrina Espinós e Vanessa Zietlow são consideradas profissionais excepcionais e muito atuantes no mercado. “Todas são reconhecidas pelo trabalho a que se dedicam”, acrescenta.

Lágrimas de emoção

Lívia conta que foi com alegria e surpresa que recebeu a indicação para o prêmio. “Durante todo esse período, todas as demais indicadas tiveram oportunidade para mostrar seu trabalho e amor pela profissão de uma forma igualitária. Com isso, conseguimos inspirar e nos identificar com outras profissionais”.

Mas ao saber da vitória, o sentimento foi inexplicável: “eu só ouvia batidas do meu coração… realmente é uma surpresa. Só fiquei sabendo na hora, junto com todo mundo. E quando falaram meu nome, cai em lágrimas de emoção e alegria”, emociona-se. “Foi um grande desafio, porque concorri com profissionais renomadas no mercado. Também não posso deixar de ressaltar que a organização foi impecável!”

A vencedora reforça que sua expectativa com a conquista é inspirar outras mulheres e motivá-las a continuar divulgando o trabalho e o amor pela área de FM. “No nosso segmento o contato presencial é muito importante, pois lidamos com pessoas. Nesse momento, com tanta tecnologia e protocolos de segurança, o maior desafio é não perder a comunicação e o olhar humanizado para as equipes e usuários finais dos espaços”.

Liderança feminina

Rosangela Manteigas, presidente executiva do Grupo Mulheres em Facility, Management e Workplace.

 É justamente esse cuidado a principal característica do grupo até hoje. “Proporcionamos a troca de experiências e entendemos as dificuldades das mulheres que atuam em Facility Management, promovendo discussões, encontros e networking”, destaca Rosangela.

Segundo ela, há 10 anos, o número de participantes do grupo que ocupava cargos de liderança era relativamente pequeno. “Hoje, vemos liderança feminina em grandes empresas trazendo excelentes resultados”.

Rosangela enfatiza ainda que uma das maiores conquistas, ao longo dos 10 anos de atividades do grupo, foi o protagonismo da mulher em áreas anteriormente masculinas quase que na totalidade.

Inclusive, a integração entre as profissionais e o envolvimento em diversos grupos alçou mais mulheres ao destaque, como Irimar Palombo, nomeada primeira presidente mulher da ABRAFAC (Associação Brasileira de Facility Management, Property e Worplace).

Mas nem tudo foi fácil. Fátima lembra que elas ouviram várias piadinhas e comentários machistas ao longo do tempo. “Mas não nos abatemos. Muito pelo contrário. Isto nos deu muito mais força para prosseguirmos. E valeu a pena, porque hoje somos reconhecidas por demais grupos formais do mercado, além de várias associações”.

Aliás, a iniciativa serviu de inspiração para a criação do grupo “Mulheres no Facility Management em Portugal” e também na Espanha, com a formação do grupo MMWFM. “Celebramos a conquista e o reconhecimento tanto no Brasil quanto no exterior, onde o principal propósito é uma mulher ajudar a outra”, comemora Fátima.

Desafios

 Nos últimos dois anos, no entanto, um componente extra desafiou os FM´s e foram justamente os profissionais da área que exerceram papel imprescindível na gestão dos espaços – principalmente em ambientes hospitalares – diante do coronavírus.

Todos tiveram que se reinventar para administrar as demandas de empresas que continuaram com suas atividades presenciais e também em home office, evidenciando ainda mais as atividades da área em todos os segmentos empresariais”, lista Rosangela.

“No ano passado, participei de muitas lives e me perguntavam se a área de gestão de facilities iria acabar. Eu respondia que esta era uma oportunidade de ouro, pois o profissional de FM poderia mostrar seu valor e o quanto consegue agregar à organização”, conta Fátima.

Como resultado, além de aproveitar o momento, o setor fez a diferença, assim como os agentes de limpeza foram fundamentais durante todo o processo. “A limpeza foi outra função que deixou de ser coadjuvante para ser protagonista nesta história. Os profissionais que se capacitaram e se atualizaram, saíram na frente e hoje são disputados no mercado”, aponta.

Planos futuros

 Mas engana-se que o grupo está satisfeito com as conquistas alcançadas até aqui. Elas querem ir mais longe ainda e seguem objetivando proporcionar ainda mais conhecimento do setor.

“Realizar mais visitas técnicas e criar frentes de trabalho para que, em conjunto com associações e demais grupos informais, possamos contribuir com o crescimento do mercado”, estão entre as metas, segundo Fátima.

Para Lívia, o desejo é de que, no próximo ano, a área de FM alcance mais destaque e que as mulheres tenham a oportunidade de compartilhar suas experiências, a fim de fortalecer o mercado e inspirar mais pessoas.

Rosangela arremata: “nossa maior expectativa para 2022 será a eleição para nova diretoria executiva. E a continuidade, com mais possibilidades de informações e cursos, para nossas participantes. Mas, sem dúvida, o que mais queremos é um ano com encontros presenciais e que todos possamos retomar as nossas vidas com mais liberdade”.

Que assim seja!

 

 

Fonte: ABRALIMP.

Foto/ Divulgação: ABRALIMP.