Fim de ano é época de comemorar e a Abralimp traz informações sobre a higienização correta dos ambientes que armazenam vinhos

Em dezembro, com a proximidade das festas de final de ano e muitos motivos para brindar, o consumo de bebidas tende a aumentar. Mas como é feita a higienização das cervejarias e vinícolas para garantir um produto de qualidade? A Associação Brasileira do Mercado de Limpeza Profissional (Abralimp) traz informações relevantes sobre o processo de limpeza adequado destes ambientes.

Afinal, a indústria de bebidas é uma das mais relevantes para a economia brasileira. Somente o setor cervejeiro responde por 1,6% do PIB do País e 14% da indústria de transformação nacional, empregando mais de 2,7 milhões de pessoas ao longo da cadeia produtiva, de acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria da Cerveja (Cerv Brasil).

O vinho brasileiro também tem ocupado lugar de destaque. Segundo dados do Instituto Brasileiro do Vinho (IBRAVIN), o Brasil tem cerca de 83,7 mil hectares de uvas finas e 1,1 mil vinícolas, e o Brasil sendo o quinto maior produtor de vinhos do Hemisfério Sul. De modo geral, o vinho brasileiro se destaca por ser fresco, frutado e com teor alcoólico moderado.

Os procedimentos de limpeza e sanitização nas unidades produtivas das bebidas devem ser estabelecidos, documentados e seguidos de forma rígida, para garantir a inocuidade do produto final, uma vez que bactérias e outros micro-organismos podem alterar características (no caso da cerveja, redução da eficiência de fermentação; alteração da qualidade sensorial; acidificação, turbidez, sedimentação e má formação de espuma; e no caso do vinho, acidificação, redução do pH e formação do indesejável ácido acético ou popular vinagre) e causar danos à saúde do consumidor.

 

Limpeza impecável

Como a desmontagem de equipamentos para higienização é praticamente impossível, dependendo do volume da produção, uma das soluções encontradas pela indústria é a utilização do sistema CIP (Clean-In-Place ou limpeza no local). Trata-se da higienização de partes internas de equipamentos, tubulações, válvulas e tanques, por meio da recirculação e em circuito fechado de uma sequência de produtos que promovem ações térmicas, químicas e mecânicas.

Neste sentido, um método simples seria o enxague inicial, limpeza alcalina, novo enxague, limpeza ácida, enxague final. O setor de limpeza profissional possui equipamentos, químicos e tecnologias que se combinam a este sistema.

Há também outras soluções para limpeza interna em tanques e barris, amplamente utilizadas em vinícolas, assim como a retirada de todo o material orgânico originado no processo de fabricação. O detergente alcalino é utilizado com a finalidade de fazer a remoção de gorduras, proteínas e açúcares. Pode-se ainda fazer a desincrustação de minerais com desincrustanteácido para impedir que os depósitos se formem e adiram às paredes.

É importante que o profissional de limpeza utilize EPI’S (óculos/ luvas/ máscara) para manipulação de agentes químicos.

Após a higienização vem um dos processos mais importantes para a indústria de bebidas: a sanitização, que incide na desinfecção dos equipamentos e utensílios eliminando micro-organismos patogênicos. Essa ação, de acordo com a Abralimp, é de extrema importância para a qualidade dos produtos, evitando perdas econômicas pela contaminação e atendendo as exigências microbiológicas de fabricação.

Com produtos de qualidade, produzidos e servidos em ambientes bem higienizados, chegou a hora de brindar a entrada de 2020!

 

 

 

Fonte: Associação Brasileira do Mercado de Limpeza Profissional – ABRALIMP
por ADS Comunicação Corporativa.

Fotos: Pixabay