SIEMACO-SP e SEAC-SP oferecem curso de Educação Continuada – EJA totalmente gratuito para profissionais do setor de limpeza profissional

Limpeza / Divulgação

Duas importantes entidades do setor de limpeza profissional de São Paulo, SIEMACO-SP e SEAC-SP, celebraram nesta quinta-feira, 26/05, a formatura da turma de Educação Continuada – EJA 2021.

Os formandos integram o projeto idealizado pelos Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Prestação de Serviços de Asseio e Conservação e Limpeza Urbana de São Paulo (SIEMACO-SP) e Sindicato das Empresas de Asseio e Conservação no Estado de São Paulo (SEAC-SP), para suprir a carência da educação formal de jovens e adultos.

A parceria, que surgiu há quase 15 anos para tentar diminuir o analfabetismo, visa abrir caminhos para uma melhor qualificação educacional, profissional e pessoal dos trabalhadores do setor de limpeza profissional ligados aos sindicatos.

Para estruturar o projeto, os sindicatos receberam o apoio do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) na orientação pedagógica e fizeram uma parceria com o Metrô para usar espaços vazios como salas de aula.

Segundo o presidente do SIEMACO-SP, Edson André dos Santos Filho, além dos espaços estruturados para as aulas nas sedes dos sindicatos, são utilizadas salas nos terminais Jabaquara e Itaquera e em locais cedidos por empresas de limpeza urbana que apoiam a iniciativa.

“Ainda contamos com modelos EaD (ensino a distância) e estamos com projeto de inaugurar uma sala de aula em Cidade Tiradentes”, informa.

Incentivo à participação

O Programa de Educação Continuada já recebeu mais de 4.500 inscrições e quase 750 alunos foram certificados. “Sabemos de casos de pessoas que saíram da condição de analfabetismo, ingressaram na faculdade e hoje têm curso superior concluído”, relata com satisfação Rui Monteiro, presidente do SEAC-SP.

Ele enfatiza que toda a formação é custeada pelos sindicatos, ou seja, os participantes recebem gratuitamente material didático, cadernos, lápis, caneta, incluindo os gastos com transportes para os alunos frequentarem as aulas.

“É mais um incentivo para a participação”, aponta Monteiro ao dizer que o planejamento do curso com adultos que pertencem à mesma categoria profissional ajudou a vencer o bloqueio da vergonha de frequentar escolas em idade adulta. “A partir do momento em que perceberam que estariam em um curso com outras pessoas na mesma condição, isso estimulou a participação e pudemos seguir adiante com o projeto.”

O curso é oferecido em módulos, permitindo que o aluno ingresse a partir do seu nível de alfabetização e pode levar de um a três anos, dependendo do estágio inicial.

Limpeza / Abralimp

Alfabetizar e capacitar para transformar

Monteiro ressalta que a capacitação para o setor é algo essencial, pois a limpeza profissional evoluiu muito e para usar produtos e equipamentos é necessário ter um certo grau de instrução. “O mercado precisa de funcionários alfabetizados e capacitados.”

Em razão da pandemia, somente agora acontece a cerimônia de formatura dos 45 alunos da turma encerrada em 2021. Desses alunos, 33 são profissionais de limpeza.

André Luiz Silva da Costa, 43 anos, que concluiu o curso, relata que trabalhava na área de limpeza, como técnico de hotelaria e foi promovido para assistente de manutenção.

“Sem o ensino médio eu não teria conseguido essa promoção”, ressalta o aluno que pretende começar um curso na faculdade, na área de gestão hospitalar. Morador de Guarulhos, busca incentivar outras pessoas a realizar o objetivo de estudar.

O incentivo para as pessoas participarem do curso também é dado por Maria Luiza da Silva, 58 anos, que acaba de se formar no Fundamental II e este ano cursa o ensino médio.

Ela trabalha como auxiliar de limpeza em uma empresa da região central de São Paulo e diz ser bastante difícil trabalhar e estudar, mas que é algo que vale muito a pena. Como André, ela também gostaria de fazer faculdade.

Apoio e cuidado

O plano de fazer faculdade está próximo para Roger Ferreira dos Santos, de 34 anos, que concluiu o curso de Educação para Jovens e Adultos (EJA) oferecido pelos sindicatos em 2019 e hoje está na reta final do curso de técnico de enfermagem.

“Foi maravilhoso fazer o curso aqui. Os professores acreditam no nosso potencial e incentivam a todo momento. A partir daqui, pude fazer muitos outros cursos e agora estou focado em RT, que é para atuar como enfermeiro-padrão”, conta o estudante, que trabalha como vigilante e quer ingressar na faculdade e dedicar-se a salvar vidas. “É algo de um significado muito grande para mim, é minha vocação. Da mesma forma que fui acolhido aqui, quero fazer isso pelos outros.”

O aluno destaca que o apoio e o cuidado dos docentes foram fundamentais para ele, que tem déficit de atenção e, com o auxílio dos professores, apontando caminhos, pôde vencer essa limitação e estudar.

Motivação para os filhos

A transformação proporcionada pelo curso está presente na vida de Claudia Aparecida Juvilino, 36 anos. Ela procurou o sindicato para retomar os estudos que havia parado há 20 anos e hoje concluiu o ensino médio com a expectativa de melhores oportunidades de trabalho e até de um dia poder fazer a faculdade.

Ela recomenda a persistência para todos que voltam a estudar e diz ser incentivadora do filho, de 15 anos, para que siga e conclua os estudos. “Os pais têm grande responsabilidade quando um filho para de estudar. Precisamos preparar nossos filhos, incentivar e motivar, sem aceitar facilmente uma decisão de parar.”

Ter o certificado do ensino médio para seguir com novos sonhos também é a história de Reinaldo Carneiro dos Reis, de 48 anos. Motorista há 27 anos, revela que é marceneiro de origem, quando ainda morava em Queimadas, na Bahia.

Em São Paulo, teve outros rumos profissionais, mas nunca deixou de praticar a marcenaria, ainda que para fins particulares. Porém, é a atividade que gosta e para se aperfeiçoar diz que precisa de cursos, os quais exigem certificado de escolaridade para participar e a formatura abrirá esse caminho.

Uma parceria com permanente motivação

David James Drake, Nathalia Ueno, Ricardo Nogueira (Abralimp) e Rui Monteiro (SEAC-SP) / Abralimp

David James Drake, Nathalia Ueno, Ricardo Nogueira (Abralimp) e Rui Monteiro (SEAC-SP) / Abralimp

“A perseverança, a vontade de aprender mesmo após um dia de trabalho nada fácil, como é o dos profissionais do setor, e ter esse tempo dedicado à formação, é o que nos motiva a manter essa parceria. Percebemos essa vontade. São pessoas de diversas origens, migrantes, que conseguiram seus empregos e buscam crescimento”, ressalta o presidente do SIEMACO-SP.

Para ele, é importante destacar a homenagem feita para três ex-alunos que hoje cursam ensino superior em gastronomia, enfermagem e gestão hospitalar. “Isso mostra a importância de continuar a fazer nosso papel e buscar resgatar a autoestima. Nossa expectativa é poder ampliar cada vez mais esse programa.”

Transformação pela educação

Ricardo Nogueira, Edson André dos Santos e Rui Monteiro / Abralimp

Ricardo Nogueira (Abralimp), Edson André dos Santos (SIEMACO-SP) e Rui Monteiro (SEAC-SP) / Abralimp

Para o presidente da Associação Brasileira do Mercado de Limpeza Profissional (Abralimp), Ricardo Nogueira, o curso reflete o compromisso dos sindicatos com a questão da responsabilidade assistencial.

“Acredito na transformação do setor em função da educação. Só vamos fomentar o mercado pela base, com qualificação dos profissionais. Imagina trabalhar com produtos químicos para limpeza sem condição de identificá-los. É preciso esse olhar e cuidado com quem atua no setor. Valorizamos a iniciativa, que veio para contribuir com a transformação do mercado”, pontua Nogueira.

A Fundação UniAbralimp incentiva e apoia as realizações no campo da educação. “Temos esse olhar para a importância da educação e buscamos preparar e qualificar as pessoas para as técnicas de limpeza e para o entendimento dos diferentes tipos de produtos. Apoiamos todas as ações voltadas para o pilar educacional”, enfatiza o presidente da Abralimp.

Fonte: Abralimp

Fotos: Abralimp e Divulgação