Encontro online teve como tema: “Saúde e limpeza: os mitos e verdades sobre o que funciona”

A Abralimp marcou presença na live “Saúde e limpeza: os mitos e verdade sobre o que funciona”, promovida pelo HospitalMed – a mais completa feira do setor médico hospitalar da região Norte e Nordeste. O encontro online teve como enfoque a importância da limpeza em tempos de pandemia.

Entre os principais itens dos protocolos de limpeza trazidos com a Covid-19 Fernanda Luppi Gaby, membro da Câmara de Químicos da Abralimp e uma das representantes da entidade no debate – abriu a conversa indicando dois dos mais importantes protocolos para prevenir a transmissão do novo coronavírus: a higienização das mãos e o processo de limpeza e desinfecção de superfícies.

Fernanda chamou a atenção sobre a importância da correta higienização das mãos com a fricção de todas as áreas durante procedimento completo em um tempo mínimo de 20 a 30 segundos.

“Outra coisa importante é utilizar o álcool em gel 70% em quantidade suficiente para que a mão fique umedecida e possa ser feito o mesmo procedimento de fricção durante, pelo menos, 20 segundos para que o processo de higienização seja realizado corretamente.”, enfatizou a convidada.

Limpeza e desinfecção

Segundo a especialista a limpeza e a desinfecção de superfícies também devem ser realizadas corretamente. “A limpeza deve ser feita primeiro e, com a remoção de toda a sujidade a área fica preparada para o desinfetante, que tem como função eliminar microrganismos”, disse a especialista, que destacou ainda a importância da aplicação dos produtos nos tempos corretos para obtenção dos melhores resultados.

“Além disso, equipamentos e acessórios também devem passar pelo procedimento de higienização para garantir uma limpeza eficaz, assim como a avaliação final, importante para a obtenção da melhoria como um todo”, disse.

“Nada nas normas técnicas e recomendações dos órgãos competentes acrescenta informações mirabolantes. O importante é assegurar que os processos sejam feitos corretamente para garantir superfícies seguras”, acrescentou Fernanda.

Ambiente Hospitalar

A avaliação do ambiente também foi destacada como importante estratégia para o ambiente hospitalar. E a dúvida levantada foi sobre quais novidades estão disponíveis para a limpeza do ambiente.

Fernanda comentou sobre a limpeza concorrente com a limpeza e a desinfecção das áreas. E a atenção maior são as superfícies de alto contato das mãos. “Independente de profissional, paciente ou visitante aumentou a freqüência de limpeza, com procedimentos intermediários”. Já o piso – que não é prioritário – não necessita limpeza a todo o momento.

A hotelaria pode entrar mais vezes – não apenas dentro do quarto do paciente – nas áreas públicas dos hospitais e clínicas. E a limpeza terminal envolve todas as superfícies, que devem ser limpas e desinfectadas para que o ambiente esteja pronto para ser reutilizado.

“Apesar de as pessoas estarem com medo de ir a hospitais, o retorno é inevitável para tratamentos. É muito provável que a Medicina Preventiva ganhe força e até mesmo as cirurgias eletivas retornem e os hospitais voltem à rotina”, pondera a participante, que apontou ainda a importância da limpeza para garantir a saúde dos colaboradores também.

Em suas colocações Fernanda também citou a importância da comunicação e arquitetura a favor da disseminação do conceito de higienização e cuidados para evitar a proliferação de doenças. “A recepção nunca tinha sido identificada como crítica. Hoje as superfícies de contato deste e outros ambientes como hall de entrada e almoxarifado devem ser higienizados corretamente”.

Processos e protocolos

Adriano Lowenstein, outro membro da Câmara de Químicos da Abralimp, também participou da conversa e salientou a importância da higienização para a manutenção de ambientes saudáveis. “Primeiro foi colocada uma pré-entrada nos hospitais e, a partir dali passou a ser feita a rota para saber por onde a pessoa que chega deve seguir. Isso é uma medida que veio com a Covid-19 e vai ficar”.

A conscientização da higiene e limpeza, associada à capacitação são fundamentais para serem aplicados da forma mais adequada. “Abriram-se portas para novas tecnologias que no futuro poderão ser aplicadas como segurança adicional à limpeza”, ponderou o participante indicando as várias ocorrências trazidas com a pandemia.

Sobre os processos de higiene na área de saúde Lowenstein apontou itens como hipoclorito de sódio ainda muito utilizado em hospitais do interior, assim como pano e rodo para limpeza de piso. “Hoje em dia já está disponível no mercado mops mais em conta que garantem a eficácia e segurança”.

Sobre a pandemia o convidado também frisou que os protocolos de higiene e limpeza já existiam, mas passaram a ser aplicados com mais rigor para proporcionar melhor eficácia. “Não podemos esquecer tudo o que vivenciamos quando a pandemia passar, já que é uma curva de aprendizado. A área hospitalar é um espelho para outros segmentos, por isso é fundamental o investimento em treinamento de mão de obra e conscientização. Isso é a chave de tudo!”, finalizou.

 

 

Fonte: ABRALIMP – Associação Brasileira do Mercado de Limpeza Profissional.

Foto/Divulgação: HOSPITALMED.