Como entidades representativas de alguns setores da cadeia produtiva estão enxergando os processos de higiene

A chegada da pandemia colocou a limpeza sob os holofotes. Protocolos sanitários e intensificação das ações foram determinados pelas autoridades para que toda a população pudesse evitar a contaminação pelo SARS-Cov-2.

No setor de limpeza comercial uma mobilização sem precedentes resultou em rápidas iniciativas para auxiliar toda a sociedade a combater o inimigo invisível. Representante oficial do setor, a Abralimp (Associação Brasileira do Mercado de Limpeza Profissional), junto aos seus associados e empresas do segmento desempenharam papel determinante neste contexto.

David James Drake, presidente da entidade, muito da percepção da limpeza com a pandemia foi muito bem divulgado e os conceitos e processos se tornaram mais conhecidos. “A higiene é uma importante barreira para confrontar a pandemia e até que a vacina seja efetiva, o que temos é a limpeza para combater o coronavírus”.

Mas segundo Drake a limpeza é mais que isso. Além de cuidar da saúde, a atividade é responsável por zelar pelos patrimônios. “Por isso é importante utilizar produtos certos, na hora certa e na quantidade certa. E pode ser que empresas e pessoas estão exagerando com essa preocupação toda. Isso faz com que as superfícies sejam danificadas. Daí a importância do mercado de limpeza divulgar seus conceitos para educar o cliente final para saber o que e como usar durante a pandemia e após ela. E esse é um grande desafio!”

Protocolos

No entanto, como um passarinho só não faz verão, é importante que demais associações se somem a esse esforço conjunto para combater o coronavírus. Mas como os demais setores da economia têm enxergado a questão da higiene?

Qual é a percepção em relação ao que vem sendo feito? Os shoppings centers, por exemplo, aprimoraram seus protocolos – apesar desses ambientes serem controlados, climatizados e higienizados constantemente.

De acordo com Nabil Sahyoun, presidente da ALSHOP (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping), logo de início foram estabelecidos procedimentos validados pelo hospital Sírio Libanês (SP) que depois também foram aprovados por governos estaduais e municipais tornando a visita aos empreendimentos mais segura, além de um ambiente limpo também para os colaboradores.

Entre os protocolos – além da limpeza freqüente – estão a medição de temperatura na entrada dos malls e distanciamento entre clientes. Também foram tomadas providências como inabilitação de alguns bancos e poltronas, remoção de mesas em praças de alimentação, limpeza frequente dos ambientes de circulação, uso de face shields e máscaras por parte dos colaboradores.

Proteções extras foram aplicadas em balcões e equipamentos de manipulação como máquinas de cartão e caixas. “Tudo para evitar o contato entre as pessoas, permitindo uso dos espaços de forma racional e segura”, enfatiza Sahyoun.

Cada vez mais necessária

Thiago Santana, presidente da ABRAFAC (Associação Brasileira de Facility Management Property & Workplace) conta que os protocolos de higiene e limpeza foram colocados em destaque e, principalmente outros setores da economia, passaram a enxergar a importância da atividade.

“Com este novo momento todas as demais áreas conseguiram perceber o esforço, a relevância, a dedicação e a quantidade de estudos técnicos para manter os ambientes limpos e conservados. E no final das contas isso acaba protegendo colaboradores, clientes e melhorando a produtividade dos negócios”, diz.

Segundo Percival Maricato, presidente da Abrasel SP (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) a limpeza sempre foi decisiva para manter o respeito, a aplicação dos funcionários e também para manter clientes de bares e restaurantes.

“Além disso, não são poucas as fiscalizações que os visitam e as punições podem ser drásticas: de multas até fechamento. Sem excluir possíveis repercussões em mídias”, acrescenta.

Ainda de acordo com ele, com a Covid-19 isso ficou mais claro ainda. “Algo como 70% dos consumidores tem medo de ser contaminado indo a um estabelecimento. Para reduzir essa porcentagem é fundamental mostrar a preocupação com a limpeza e transmitir segurança ao cliente. Enfim, a limpeza ficou ainda mais necessária aos estabelecimentos do ramo”, diz.

Drake, da Abralimp, arremata que o empenho e engajamento dos demais setores com a limpeza também é fundamental para a consolidação de todo o mercado e retomada da economia. “Todas essas associações são importantes para divulgar e multiplicar os conceitos colaborando para que nossos mercados cresçam cada vez mais”, finaliza.

 

 

Fonte: ABRALIMP.

Foto/Divulgação: ABRALIMP.