Empresas contam o que têm feito desde que a pandemia chegou ao Brasil

Medição de temperatura realizada no Grupo TB.

Desde que São Paulo e Rio de Janeiro adotaram em 24 de março medidas restritivas à circulação de pessoas com o objetivo de controlar a pandemia do coronavírus o Brasil está vivendo a maior experiência de lockdown (do inglês: paralisação das atividades) já vista por aqui.

Somente em São Paulo – epicentro da Covid-19 no país – mais de 54 milhões de pessoas foram impactadas nos 645 municípios do estado. Nesses locais, assim como em outros grandes centros urbanos como o Rio de Janeiro, por exemplo, apenas estabelecimentos e serviços considerados como essenciais – caso de supermercados, transportadoras, farmácias e limpeza profissional, entre outros – estão com funcionamento regular.

Empresas em geral estão fechadas ou operando no sistema de trabalho remoto (home office). Porém, as companhias do setor de limpeza profissional estão na linha de frente no combate ao coronavírus e precisaram se adequar às atuais demandas para prestar um serviço de qualidade sem expor os colaboradores ao risco de contaminação.

Capital humano, o principal ativo

Em consenso, as empresas associadas à Abralimp estão seguindo a orientação dada pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial da Saúde (OMS): manter à disposição álcool em gel e equipamentos de proteção individual (EPI´s) para os colaboradores.

Além disso, diversas medidas passaram a fazer parte da rotina das empresas. Na InBetta, por exemplo, desde o início da pandemia mundial do Coronavírus, a companhia vem realizando diversas ações para proteger seus funcionários.
Dentre elas, está a utilização generalizada de álcool em gel em todos os ambientes e entrega de kits contendo produtos de higiene e álcool em gel 70%,  até ações mais específicas como a conscientização dos profissionais sobre o vírus. Colaboradores pertencentes ao grupo de risco também foram afastados como medida preventiva.

Segundo Evandro Leorato Machado, gerente corporativo de Recursos Humano, as viagens das equipes também foram suspensas. Mas o cuidado não parou por aí. Todas as cortinas dos ônibus que transportam os funcionários e das dependências da indústria foram retiradas para prevenir a proliferação do vírus e cerca de 400 funcionários passaram a trabalhar no regime home office para reduzir o fluxo de pessoas na unidade fabril.

Mas aqueles que permaneceram presencialmente foram presenteados com kit de higiene e limpeza para levar para casa. “Também fizemos um comunicado do presidente direcionado a todos os profissionais para orientar sobre as medidas”, acrescenta Machado. “Quem está em trabalho remoto também foi impactado por uma campanha de comunicação para se manter a par de todos os acontecimentos”, completa o gerente.

Desta forma a produção foi mantida – apesar das equipes reduzidas. “Entendemos que nossos produtos: esponjas para louças, panos, saneantes – químicos, luvas, máscaras, mops, baldes, vassouras, organizadores, entre outros mais de cinco mil itens de utilidade doméstica que contribuem na higienização dos ambientes são fundamentais nesse momento de crise, suprindo as necessidades sociais por limpeza e higiene”, enfatiza Machado.

Para o executivo, a grande experiência vivenciada durante este período está sendo a atitude e comprometimento dos profissionais, compreendendo sua importância apesar da crise e colaborando para manter o abastecimento da sociedade com produtos imprescindíveis neste momento.

Getúlio Antonio Cantão Neto, coordenador de Marketing do Grupo Dikma conta que os colaboradores acima de 65 anos também foram afastados, assim como os portadores de asma e outras doenças crônicas e grávidas que atuavam em área com grande circulação de pessoas. “Os serviços de limpeza são fundamentais, principalmente nesse momento. Estamos atuando nos contratos com a máxima segurança possível distribuindo máscaras descartáveis e outros EPI´S”, relata.

O executivo conta ainda que a empresa entrou em consenso com alguns clientes para buscar colaboradores com veículo ou permitindo que eles se desloquem com carro próprio (com reembolso de gasolina) para evitar uso de transporte público. Mas antes mesmo disso uma equipe da empresa visitou todos os tomadores de serviço para transmitir orientações de segurança e cuidados pessoais, além de esclarecer dúvidas e motivar as equipes sobre a importância do trabalho de limpeza no momento atual.

Como alternativa para alavancar os negócios a empresa também criou um material específico para serviço de desinfecção interna com utilização de desinfetante hospitalar, bem como limpeza a vapor e desinfecção externa com pulverização via caminhão hidrojato. Além disso, também está fazendo aquisição de alguns produtos para estoque. “Utilizaremos para atendimento a nossos clientes, uma iniciativa mais para suprir a demanda”, conclui.

Importância da comunicação

Já no Grupo Paineiras segurança e saúde sempre foram princípios norteadores das ações. E agora, diante do novo cenário onde limpeza e higienização ganham destaque a empresa acredita que informação é o elemento fundamental. “Transmitimos diversos tipos de conteúdos e treinamentos específicos para orientar, motivar e capacitar nossos colaboradores, alertando-os sobre formas de prevenção à doença, uso correto e higienização dos EPI’s, além de todos os cuidados com a higienização das mãos e as formas de contaminação”, conta a CEO Nathália Ueno.

A executiva relembra que o uso da dupla “água + sabão” deve ser amplamente utilizada, além dos equipamentos de proteção individual indicados pelo Ministério da Saúde. “Uma de nossas primeiras ações foi realizar um levantamento de todos os colaboradores que pertencem ao grupo de risco e providenciar o afastamento preventivo, cumprindo o que preconiza o Decreto 59.283/2020”, diz Nathalia.

O setor de treinamento da empresa também está atuando em conjunto com as lideranças para destacar as boas práticas a serem implantadas. “Neste momento há uma demanda grande por parte dos clientes para que haja uma desinfecção de suas áreas, e aí entra nossa expertise comercial e operacional a fim de atender toda e qualquer solicitação. Envolvemos nossos colaboradores neste processo para que eles tenham consciência da importância do seu papel social nestas ações”, explica a diretora executiva.

Nathalia destaca que o relacionamento respeitoso que sempre teve com seus colaboradores dá a garantia de agora poder contar com cada um deles. “Nossa base sempre foi o respeito e agora estamos recebendo de nossos funcionários a confiança que depositamos neles: eles respeitam o ambiente em que atuam, os clientes e também o importante papel exercido na sociedade”, diz.

Outras medidas também foram concretizadas como instalação de canal de atendimento; criação de comitê interno para acompanhamento da crise; home office para os colaboradores que possuem essa flexibilidade; restrição de viagens corporativas; alteração de horários de entrada e saída, treinamentos especiais e contínuos e divulgação de materiais informativo

Combate à fake news

Mauricio Almendro, diretor de negócios da Divisão de Saúde do Grupo Verzani & Sandrini relata que foi organizado um comitê de gestão de crise composto por gestores de diversos departamentos da empresa para monitorar a situação do coronavírus no país e adoção de práticas e protocolos de segurança recomendados pelos órgãos nacionais competentes para contenção da contaminação.

Com isso, novas políticas têm sido implantadas pela empresa e compartilhadas com colaboradores e clientes, de modo que estejam alinhados quanto aos procedimentos e fluxos a serem seguidos durante o período de contingência. “Dentre elas desenvolvemos um material com orientações relacionadas à prevenção e com indicações sobre os cuidados a serem tomados em casos de surgimentos de sintomas e confirmação de contágio. Além de termos intensificado a comunicação interna, reforçando estas recomendações e desmistificação de fake news”, conta Almendro.

Na empresa também estão sendo trabalhadas campanhas específicas voltadas aos profissionais externos que atuam em empresas que prestam serviços essenciais -principalmente no segmento hospitalar. “Criamos um plano de incentivo para que se sintam seguros, estimulados e apoiados nesse momento. Buscamos reforçar o valor desses colaboradores, mostrando que o trabalho deles é essencial para ajudar a superar essa pandemia”, enfatiza o diretor.

Apesar de a companhia ter registrado aumento na procura por serviços de limpeza em condomínios, empresas e escritórios a demanda maior é do setor de saúde: farmacêuticas e químicas, assim como em supermercados e indústria alimentícia. “Desta forma, alinhados ao nosso comitê de crise, estamos estruturando equipes devidamente capacitadas para atendimento volante para suprir a demanda desses setores, afinal reconhecemos o importante papel do setor de limpeza para ajudar no combate ao coronavírus. Todas as áreas do grupo, incluindo o departamento comercial, estão trabalhando redobrado para garantir a entrega aos clientes, seja ela prestação de serviço, produto ou de equipamentos e EPI”, revela Almendro.

Portas e janelas abertas

Já no Grupo Empresarial TB também foram adotadas diversas medidas concomitantes e criados dois grupos de crise, um operacional e outro estratégico para dar agilidade a todas as questões que envolvam a empresa, clientes e funcionários. “Nossa expertise no setor de saúde contribuiu para garantir agilidade na execução das ações planejadas, mesmo com um cenário inicial de informações conflitantes sobre a doença”, declara Euripedes Ferreira Brasil Junior, diretor administrativo e de planejamento.

O executivo lembra que uma das primeiras preocupações do grupo foi identificar os funcionários que poderiam exercer suas funções de casa mesmo – independente de idade ou estado geral de saúde – sem prejuízo para os clientes. “Desta forma, conseguimos rapidamente colocar 45% de nosso pessoal administrativo em home office ou em esquema de revezamento. Também afastamos os profissionais do grupo de risco”, lista o executivo, que acrescenta: “a medida garantiu a reorganização de postos de trabalho para um maior espaçamento entre os profissionais que ainda precisavam comparecer aos escritórios”.

Os aparelhos de ar condicionado foram desligados e tanto portas quanto janelas, permanecem abertas para evitar que as pessoas toquem nas maçanetas a todo momento.  Além disso, todas as mesas receberam álcool em gel para higienização das mãos.

Outra estratégia utilizada pela empresa foi destacar profissionais de enfermagem para cada unidade de negócio. “Todos os funcionários são orientados, um a um, a higienizarem corretamente as mãos ao chegar ao trabalho”, diz Brasil Junior. Além da orientação, há medição diária da temperatura – inclusive daquelas pessoas que comparecem à Casa do Profissional para se candidatar a uma das vagas oferecidas pelas empresas do grupo.

A companhia também passou a oferecer alimentação na Casa do Trabalhador. “Nesta unidade os colaboradores almoçavam em locais próximos, mas como diversos restaurantes fecharam e o serviço de entrega passou a onerar nossos funcionários, essa decisão foi mais interessante”, conta o executivo.

Além do afastamento dos funcionários considerados com maior risco, o grupo também fez uma ampla campanha de orientação sobre a Covid-19, produzindo material impresso, em vídeo e para ambientes digitais (WhatsApp, redes sociais e intranet) sobre diversos temas, como a desinfecção correta das mãos, precaução e sintomas da doença. “Os mesmos materiais foram compartilhados com nossos clientes para que eles distribuíssem aos seus funcionários”, recorda o diretor.

As chefias foram orientadas a manter contato ainda mais frequente com os colaboradores, dando respostas rapidamente para que as equipes se mantenham na ativa. Como as demandas dos clientes aumentaram em diversas áreas, a estratégia adotada pela empresa foi reforçar e deslocar equipes e profissionais que atuavam em alguns contratos reduzidos temporariamente para outros segmentos, como logística e saúde.

“Tivermos que buscar um reforço de material de limpeza e equipamentos de proteção individual e coletivo e ampliamos o estoque, já que o fornecimento constante é um ponto de atenção. Estamos preparados e dispostos a proteger com a eficácia não apenas nossos profissionais, mas nossos clientes”, enfatiza o diretor.

Essa consciência de que o conjunto das medidas tomadas pelo Grupo TB traz maior segurança e confiança aos profissionais e clientes pode ser comprovada no dia a dia da execução dos serviços. Um depoimento inspirador é o da profissional Maria Salete da Silva, que personifica todos os colaboradores. “Ela tem plena consciência da importância do papel de seu trabalho no cenário atual. E demonstra diariamente empenho em melhorar cada vez mais. Isso nos motiva ainda mais”, diz Brasil Junior.

Exemplo inspirador

Há mais de uma década a alagoana Maria Salete da Silva pega uma condução para realizar o trajeto entre sua casa em Sapopemba, na zona leste de São Paulo, e o Hospital Ipiranga, na zona Sul da capital. Embora seu trajeto seja idêntico, não se pode falar o mesmo da sua rotina no trabalho de limpeza e desinfecção do Pronto Socorro da unidade, desde o início da pandemia do coronavírus. Desde então, o Ipiranga passou a fazer parte de uma rede cinco hospitais do Estado na triagem de casos suspeitos do Covid-19.

“Eu fiquei assustada no primeiro dia do início da triagem de pacientes, mas no dia seguinte já estava tranquila”. Segundo ela, a orientação recebida de seus líderes e o apoio da empresa foi importante, assim como a postura profissional de quase duas centenas de colegas do Grupo TB e de enfermeiros e médicos da unidade. “Todos os treinamentos que recebemos, que são mensais, também ajudam a proteger pacientes e a nos manter protegidos”

Salete diz que, embora o número de pacientes no PS tenha sido reduzido no início da pandemia, o ritmo de trabalho aumentou. “Desinfectamos tudo o tempo todo. Basta um paciente sair do banco e a gente já atua”, conta, com orgulho. “Sigo todas as orientações dos meus líderes. Estou lavando as mãos com mais frequência, usando mais álcool gel e caprichando ainda mais na limpeza de casa”.

Ela mora com o marido, que passa metade da semana em um sítio em Rio Grande da Serra, cuidando da criação de galinhas, e diz que adora o seu trabalho na empresa, onde atua há 18 anos. “Eu nunca faltei e não chego atrasada”, diz, certa de que seu trabalho é essencial no combate do coronavírus, mas também proporciona oportunidade de mais saúde, sobretudo de vida.

Colaboradores motivados

Na Ética Conservação Facility Service o primeiro passo foi adotar o regime home office e revezamento de atendimento presencial na sede da empresa restrito aos colaboradores que estão sendo contratados; que precisam assinar algum documento; retirar uniformes e EPI´s.  Além disso, os colaboradores com mais de 60 anos, pessoas com deficiência e gestantes foram orientados a ficar em casa e não receber e nem fazer visitas desnecessárias.

Sandra Basílio, gestora de projetos, conta que os funcionários estão em atendimento nos clientes realizam os procedimentos com todos os EPI´s necessários, além da correta higienização das mãos e precauções recomendadas pelo Ministério da Saúde e demais órgãos. Também estão recebendo orientações sobre o que é o Coronavírus, como ocorre a transmissão, os principais sintomas e as formas de prevenção.

Periodicamente são realizados treinamentos, reuniões e palestras com os colaboradores que prestam serviços em hospitais, clínicas, UBSFs, UAIs com enfermeiros e médicos sobre a temática prevenção na área hospitalar. Além disso, a empresa mantém em seus canais de comunicação como Instagram, Facebook e Whatsapp informações a respeito da pandemia e medidas de prevenção para orientar e tranquilizar tanto colaboradores como clientes.

Como o medo de contrair a doença é eminente, diálogos entre gestores e equipes têm sido fundamentais para reforçar a necessidade de prevenção através da utilização de técnica adequada e utilização dos equipamentos de proteção individuais e coletivos. Como reforço os tomadores de serviços também têm incentivado os colaboradores. “Atuamos para que os agentes de limpeza se reconheçam como peças mais que essenciais neste momento no enfrentamento deste vírus. Desta forma estamos com colaboradores motivados, bem orientados, treinados e determinados, tirando lições de superação neste momento tão difícil”, comemora Sandra.

Apesar da redução de quadros de funcionários em alguns contratos por solicitação dos clientes há registro de contratações extras para suprir demanda de colaboradores afastados.

Empenho na conscientização

Desde 12 de março a TTS do Brasil está comprometida em tomar todas as medidas orientadas pela OMS e Ministério da Saúde, oferecendo aos colaboradores informativos em todas as áreas de acesso da empresa, orientações e avaliações diárias (sintomas, prevenção, dados, familiares), bem como fornecimento de toda estrutura de higiene e desinfecção com álcool gel em todos os setores, além do fornecimento de máscara para os colaboradores e seus familiares. “Também disponibilizamos kit higiene para higienização das ferramentas de trabalho e recomendamos o distanciamento entre os colaboradores, bem como adequação das portas para evitar contato manual”, lista o diretor geral da empresa, Roberto Trevisan.

Um profissional de saúde foi contratado para examinar quinzenalmente todos os colaboradores. O trabalho externo realizado pela equipe comercial em clientes foi suspenso. Já os grupos de risco e técnicos foram realocados para realização de trabalho em regime home office. “Toda a diretoria está empenhada na conscientização e comunicação com todos os colaboradores”, acrescenta o executivo.

Como a produção não teve alteração em sua capacidade foram tomadas medidas de prioridade sobre as demandas para área de saúde com reforço no estoque de produtos estratégico voltados ao segmento.

 

 

 

Fonte: ABRALIMP – Associação Brasileira do Mercado de Limpeza Profissional.

Foto: Divulgação.