Como o setor de locação de veículos se adaptou à pandemia e o que tem sido feito para impulsionar a retomada

Após amargar meses de queda no volume de locação de automóveis devido à pandemia, o setor de locação de veículos está focado na retomada das operações. Entre as medidas para impulsionar a iniciativa está o cuidado com higiene de veículos e agências para oferecer mais segurança aos funcionários e clientes.

Para falar sobre o tema o Higiplus Entrevista recebe Paulo Miguel Junior, presidente do Conselho Nacional da ABLA (Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis), que relembrou durante o bate papo as dificuldades vividas entre os meses de abril e maio de 2020, quando a pandemia impactou de forma mais severa o segmento. “Quase 90% dos veículos alugados para pessoas em viagens de negócio e famílias em viagens de lazer estavam parados”, contou o convidado.

“Foi um período catastrófico para o setor. Muitos empresários não sabiam o que fazer, já que quase a totalidade da frota – tanto para turismo como para as plataformas de aplicativos – foi devolvida”.

A queda de demanda citada pelo convidado resultou na devolução de cerca de 380 mil carros. Como ninguém esperava por isso, não existia pátio provisionado pelas empresas para guardar todos esses veículos. “Foi um corre-corre atrás de estacionamentos e garagens para dar conta de tudo”, contou o executivo.

Segundo ele, foi preciso analisar a pandemia para sentir os impactos e conseguir se equilibrar. “Um ponto importante é que a atividade de locação é alavancada por financiamentos bancários. E os bancos concederam período de carência para a volta do pagamento dos empréstimos. Isso foi fundamental para o setor atravessar o momento de pânico”.

Atividade essencial

Apesar da ABLA e outras entidades do setor entrarem em cena pedindo o reconhecimento da atividade como essencial, houve o problema da adaptação em estados e municípios.

“Garantimos o deslocamento das pessoas de forma segura, assim como o transporte de insumos da área de saúde. Mas foi uma briga grande nos Estados e Munícipios brasileiros para a liberação da atividade.”, diz Miguel Junior.

A partir de maio e junho os motoristas de aplicativo começaram a retornar o trabalho, assim como os clientes voltaram a locar veículos – inclusive pelo modelo de assinatura em períodos específicos. “Foi aí que começamos a ter uma recuperação das atividades, que se tornou mais forte a partir de agosto”.

Limpeza

Importante para garantir a segurança dos usuários, a limpeza também teve papel determinante para o mercado de das locadoras. “Dentro da locação normal o veículo já passava por uma limpeza interna com produtos específicos que não agridem couro, tecido e plástico.”

Porém, com a pandemia foram implantadas novas técnicas que incluem o processo de higienização do interior dos carros. Além disso, as empresas também adotaram cuidados extras como a proteção de superfícies de alto contato como volantes, câmbio e maçanetas com filme plástico.

“Após esses cuidados, o carro era colocado na posição de locação e fechado. Assim, ao ter contato com o veículo, o cliente tinha a segurança de que ele estava corretamente higienizado.”

Miguel Junior acredita que mesmo após a pandemia todas essas rotinas – que já foram incorporadas aos protocolos – seguirão mantidas. “A intenção é fazer disso uma constante, pois percebemos que os procedimentos passaram a ser mais ágeis com resultados mais eficazes.

Para ele, mesmo que a pandemia diminua, o vírus não será eliminado 100%. “Como não sabemos quando chegará uma nova pandemia, esses procedimentos seguirão perenes nas locadoras”, finaliza.

 

Clique aqui para assistir ao bate-papo na íntegra!

 

 

Fonte: ABRALIMP.

Foto/ Divulgação: ABRALIMP.